Quarta, 01 de dezembro de 2021
84 98628 6001
Saúde

22/10/2021 às 18h04

77

Adrovando Claro

Natal / RN

88% dos vacinados pretendem tomar terceira dose contra a Covid-19
Pesquisa Saúde Brasil traz radiografia da pandemia e estado da saúde no país
  88% dos vacinados pretendem tomar terceira dose contra a Covid-19

Entre os brasileiros que já tomaram uma ou duas doses da vacina contra a Covid-19, 88% afirmam que pretendem tomar uma terceira dose, ante 12% que não pretendem. Dos que desejam receber a dose de reforço, a maioria (36%) respondeu que, mesmo se pudesse escolher, tomaria qualquer uma das marcas de imunizantes disponíveis no Brasil. Outros 28% têm preferência pela Pfizer; 19%, pela Astrazeneca; 9%, pela Jansen; e 8%, pela Coronavac. Os dados são do último relatório da pesquisa Saúde Brasil, realizada pelo Centro de Pesquisa em Comunicação Política e Saúde Pública da Univesidade de Brasília (CPS-UnB ) e pelo Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados (IBPAD ), que entrevistou 1.006 pessoas entre os dias 29 de setembro e 8 de outubro. 


"Os resultados mostram que, apesar da demora do país em iniciar a vacinação e dos erros na comunicação do governo federal, a sociedade brasileira aderiu majoritariamente à imunização contra a Covid-19. Isso é fruto, em boa medida, do histórico de vacinação dos brasileiros e das brasileiras contra diversas doenças e da confiança numa solução sanitária que tem sólida base científica há décadas", diz Wladimir Gramacho, coordenador do CPS-UnB. 


Entre as principais razões que os entrevistados alegaram para terem se vacinado, a confiança na segurança e na eficácia da vacina foi mencionada por 79%, seguida pela resposta "para poder viajar e sair com segurança" (57%), pela insistência da família (25%) e dos amigos (3%). 


 


Já entre os 9% de brasileiros que não tomaram nenhuma dose do imunizante até agora, 28% não o fizeram porque acham que ele não é seguro, 20% têm receio das reações, outros 20% acham que a vacina não é eficaz, 10% alegam não ter tido tempo, 7% dizem que não conseguiram ir até o local de vacinação, 3% falam que o motivo é o fato de já haverem tido a doença, e 2% respondem que ainda não chegou a sua vez de se vacinar no lugar onde mora ou que a vacina é um chip para monitorá-los ou mudar seus genes. 


Sobre as chances de virem a se imunizar contra a Covid-19, esses mesmos brasileiros que não receberam nenhuma dose da vacina até agora dizem que têm muita chance de fazê-lo (24%), alguma chance (25%), pouca chance (23%) ou nenhuma chance (26%). 


 


MORTES POR COVID-19 E PREOCUPAÇÃO COM A DOENÇA 


Ainda de acordo com o levantamento, 47% dos entrevistados afirmam que conhecem uma ou mais pessoas não tão próximas que faleceram por causa do coronavírus, e 33% alegam ter um amigo próximo que morreu em razão do vírus - eram 22% na rodade de abril e 30% na de junho. 


Questionados sobre o nível de preocupação com a doença, que vai de "nada preocupado" a "muito preocupado", o número de brasileiros que estão com a maior preocupação caiu 10 pontos percentuais, de 35% para 25%, entre junho e setembro. Mas 40% dos entrevistados se dizem "bastante preocupados", segundo maior nível de preocupação mensurado. Mais de um terço (35%) está "nada" ou "só um pouco" preocupado com a Covid-19. "Esses dados mostram que quase dois terços da população entendem que a pandemia ainda não foi controlada no Brasil, embora a diminuição no número de casos e de mortes nos últimos meses tenha deixado as pessoas um pouco menos preocupadas", diz Max Stabile, diretor executivo do IBPAD. 


Ainda de acordo com o levantamento, 53% dos brasileiros dizem que não tiveram Covid-19 e nunca fizeram o teste. Outros 23% afirmam nunca terem tido a doença, apesar de terem feito o teste. Quase 20% da amostra teve a doença, mas a tratou em casa, enquanto 3% foram assintomáticos e 1% foi hospitalizado. 


Já entre aqueles que afirmam já haverem contraído a doença, 86% respondem que só a tiveram uma vez. Um em cada dez entrevistados desse grupo diz que tratou a segunda manifestação da doença em casa, e 4% foram assintomáticos durante a segunda infeccção. 


A pesquisa ouviu 1006 entrevistados entre os dias 29 de setembro e 8 de outubro. Amostra utilizou cotas de gênero, idade, renda e região. Os dados têm margem de erro de 3 pontos percentuais num intervalo de confiança de 95%. 


Mais informações sobre a pesquisa podem ser encontradas em: https://www.ibpad.com.br/saudebrasil 


 

FONTE: Ariane Delgado

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2021 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium