Sexta, 05 de março de 2021
84 98628 6001
Cultura

04/01/2021 às 11h04

231

Adrovando Claro

Natal / RN

A Capelinha de Nossa Senhora dos Navegantes
A Capelinha de Nossa Senhora dos Navegantes, na paria da Redinha, representa para os pescadores e moradores daquela comunidade, uma manifestação concreta da fé católica
A Capelinha de Nossa Senhora dos Navegantes
Foto: Luciano Capistrano

Andar por lugares da urbe é caminhar por cantos e encantos. O cenário urbano diz de gente, diz de costumes, diz de culturas. Olhar a cidade, é então, uma experiência repleta de interfaces, pois não se basta num olhar, os elementos constitutivos do espaço urbano têm muito a ver com seus significados em determinadas épocas, nada é estável, eterno, quando pensamos nas paisagens da urbe, a dinâmica urbana modifica constantemente, claro, como resultado da intervenção urbana.


Um desses espaço é a Redinha e seus “testemunhos” materiais e imateriais. A Capelinha de Nossa Senhora dos Navegantes, na paria da Redinha, representa para os pescadores e moradores daquela comunidade, uma manifestação concreta da fé católica, a construção de um templo de linhas simples para abrigar a imagem da Protetora dos homens e mulheres do mar. Sua construção tem a marca da humanidade desnuda de “luxo”. Nas palavras do pesquisador da urbe, Eduardo Alexandre: “Em 20 de dezembro de 1925, veranistas, pescadores, renderas e lavadeiras inauguraram a Igrejinha de Nossa Senhora dos Navegantes, com sino e cruz. Em madeira, veranistas constroem o Redinha Clube.


Ano seguinte, inaugura-se o Mercado Público da Redinha.” A comunidade de pescadores, ganhava ares de uma urbanização num ritmo de encantos e desencantos. A Capelinha de Nossa Senhora dos Navegantes, do alto, sobre o Mercado, olha o mar e testemunha as transformações ocorridas na praia da Redinha ao longo do tempo. E em janeiro tem procissão, tem festa do caju, tem ginga com tapioca...


(Referência: CAPISTRANO, Luciano Fábio Dantas. Divagações: memória, fotografia e história. Natal: Sebo Vermelho, 2019; GARCIA, Eduardo Alexandre. Das lagoas azuis ao Ponto Negro: minha cidade natal (Lugares – Gente – História). Natal: Offset Editora, 2018; SOUZA, Itamar de. Nova história de Natal. Natal: Departamento Estadual de Imprensa, 2008)


Projeto: Das ruas às redes: Quinta da história. (Foto e texto: Professor Luciano Capistrano)


 

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2021 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium